Arquivo da tag: capacitação

Gestão comunitária das águas

Kit de análise de água, que será utilizado para atividade prática (Marina Spirandelli/CARE Brasil)

A CARE Brasil irá realizar em São Gonçalo o curso Gestão Comunitária das Águas, com o objetivo de diferenciar o processo de gestão normalmente aplicado em empresas governamentais ou privadas, destacando um processo sustentável e participativo de gerenciamento comunitário do recurso.

Dentro do conteúdo serão abordados, das 10h às 18h, aspectos relacionados à legislação, normas e ao processo de gestão dos recursos hídricos. “Queremos fornecer informações que facilitem o planejamento de ações e a utilização de tecnologias sociais voltadas para a minimização de problemas ambientais e para a implementação do desenvolvimento sustentável local”, conta Marcelo Aranda Stortti, analista de projetos da CARE Brasil no Rio de Janeiro, que será um dos docentes do curso juntamente com a consultora da CARE Brasil Jacilea da Silva Santos.
.
O curso também promoverá atividades em mais três dias, com a apresentação de três estudos de caso que ilustram a aplicação desses conceitos: “Trabalhando em rede sociais  comunitárias, experiência da Maré (RJ) e do Bairro Olavo Bilac (Duque de Caxias); “Comitê da Bacia Hidrográfica da Baía de Guanabara”; “Projeto Comunidades em Ação nas Microbacias: Comitê de Bacia e Consórcio Ambiental Lagos São João”.
.
Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em RJ - São Gonçalo

São os haitianos quem vão reconstruir o seu país

Patrick Solomon, supervisiona a distribuição de kits de higiente, feita em Leogane em parceria com a comunidade (Foto: Evelyn Hockstein/CARE)

Patrick Solomon/ artigo publicado no site The Huffington Post.

Patrick é vice-presidente de Recursos Humanos da CARE USA e supervisiona a atuação de equipes internacionais.

A estrada para o oeste de Porto Príncipe estava tão sombria quanto triste. O terremoto destruiu 90% dos edifícios da cidade de Leogane. Em meio às casas e lojas desmoronadas, pude ver mais corpos – alguns que não estavam lá quando a gente passou no dia anterior.

Cada vítima me lembrou não só o quanto o Haiti perdeu, mas também como é comprido o caminho para a sua recuperação. Porque, no final das contas, é o povo haitiano quem vai reconstruir seu país – tijolo por tijolo, livro por livro.

Esta crença está nos valores de como a CARE está respondendo no Haiti, onde trabalhamos desde 1954. Ao invés de apenas distribuir um caminhão cheio de comida e suprimentos, a CARE está capacitando pessoas da comunidade para serem nossos parceiros na distribuição.

Na primeira visita da nossa equipe a Leogane, nos reunimos com o prefeito e outras lideranças da cidade. Contamos nosso plano para entregar água, galões e kits de higiene. Quando pedimos que eles identificassem os membros mais vulneráveis de suas comunidades – mulheres grávidas, crianças e idosos – nós demos pequenas “fichas” que poderiam ser trocadas por mantimentos.

O resultado foi surpreendente de se testemunhar. Quando chegamos em Leogane, era evidente que as pessoas de lá tinham desenvolvido um plano de distribuição de 1.500 galões e 1.200 kits de higiene. Os voluntários tinham de fato distribuído as fichas nas 14 tendas que foram montadas nos arredores da cidade. E eles nos levaram para a entrada de um edifício de telecomunicações, que foi usado como uma prefeitura improvisada, porque os edifícios públicos foram destruídos. Então, numa fila organizada, as pessoas foram escoltadas até os fundos do edifício, onde a distribuição aconteceu. Eles entregaram as fichas, que foram marcadas para evitar a duplicação.

Escoteiros ajudam funcionários da CARE a descarregar kits de higiene em Leogane (Foto: Evelyn Hockstein/CARE)

Talvez a visão mais inspiradora seja a atuação de jovens escoteiros haitianos, meninos e meninas que ajudaram a manter a ordem. Os jovens davam segurança e apoio emocional, enquanto a CARE distribuia kits às mulheres de Leogane, baldes com produtos de higiene pessoal, como sabonete, absorventes e toalhas.

Lá fora, os meninos montavam guarda para ajudar a controlar as pessoas ansiosas, que esperavam a sua vez. As meninas escoteiras, algumas chamadas de “guias”, providenciavam gentilmente as orientações, andando por entre as mulheres cansadas e assustadas que enfrentaram a multidão naquele sol de meio-dia.

Entre as pessoas que ajudavam, estava Joanie Estin, elegante com seu vestido bege e o lenço azul amarrado no pescoço. A jovem de 22 anos vestia as cores do Grupo Escoteiro Ste Rose de Lima, de Leogane. “Tentamos aconselhar as pessoas sobre como manter a calma e ajudamos as agências internacionais nas distribuições”, conta Joanie, com orgulho. “Para mim, é uma ação que me ajuda a me sentir melhor”.

A escoteira Jonie Estin se reúne com seu chefe escoteiro e um funcionário da CARE para planejar a distribuição no centro de Leogane (Foto: Evelyn Hockstein/CARE)

Joanie, como muitos daqueles escoteiros, está tentando lidar com sua própria tragédia pessoal. Ela perdeu seu pai no terremoto. Ele era o único que estava dentro de sua casa, quando ela desabou. No entanto, lá estava Joanie, vestida com seu uniforme de honra, ajudando seus companheiros sobreviventes a juntar os cacos de suas vidas. Esse tipo de força de vontade é necessária para que o Haiti se levante novamente. Mas não é o suficiente.

O povo do Haiti precisa de parceiros para somar forças, enquanto eles constroem novas escolas, novos hospitais e, talvez um dia, um novo sentimento de otimismo. Nós da CARE já enviamos reforços para ajudar nossos 133 funcionários – todos, exceto um, são haitianos – que estavam em campo quando o terremoto mudou suas vidas para sempre. A CARE está pensando no longo prazo e tem um plano de cinco anos para ajudar a reconstruir o Haiti. E vamos continuar a nossa atuação baseada no envolvimento comunitário.

Jovens mulheres como Joanie já estão dando os primeiros passos. Depois do terremoto, ela foi capaz de pular a porta dos fundos da sua casa e recuperar alguns pertences. Joanie achou algumas roupas e um estojo de cosméticos. Então ela retirou algo dos escombros – o seu uniforme de escoteira. Uma lembrança que nem o terremoto poderia apagar.

Deixe um comentário

Arquivado em Haiti